Skip to content

Taxa de lucro e financeirização

15/05/2018

Na bibliografia marxista que interpreta a Crise de 2008 – assim como a Grande Depressão que adveio depois dela – é comum aparecer oposição entre explicação que privilegia a queda tendencial da taxa de lucro e explicação que privilegia a financeirização.

Entretanto, como enfatizou recentemente Alan Freeman, não se pode compreender bem a teoria da crise proposta por Marx quando se faz abstração do papel do dinheiro e das finanças. Ao contrário, se este é o objetivo, deve-se integrar essas duas componentes na compreensão em geral processo de acumulação de capital. Pois, é no evolver da taxa de lucro e do capital à juros que a crise acontece.

Como o dinheiro é a forma por excelência do capital, a esfera do capital de finanças em que o valor circula sob formas diversas não pode deixar de estar profundamente imbricada na esfera do capital industrial em que se produz o valor. E elas interagem no boom e na crise, na prosperidade, na recessão e quando uma se interverte na outra.

Traz-se aqui, por meio deste post, um texto em que essa imbricação é mostrada teórica e empiricamente. Trata-se do excelente artigo de Lucas Rodrigues e de Marcelo Milan que está sendo publicado na lista dos artigos aceitos para o próximo ENEP (Niterói, 12-15 de junho, na UFF). Neste artigo, estes dois autores examinam o comportamento da taxa de lucro na economia dos EUA, entre 1960 e 2014, mostrando o impacto que recebeu do processo de financeirização a partir de meados dos anos 1970.

O artigo se encontra aqui: Financeirização e mensuração da taxa de lucro nos EUA.

Anúncios

Comentários encerrados.